Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

12
Out20

A (talvez) possível e inesperada mudança de casa

por maga rosa

A possivel (talvez) mudança de casa.jpg

 

Dizem que não há amor como o primeiro, mas não é bem assim. Eu apaixono-me por cada nova casa que vamos ver. E não é uma paixoneta qualquer. É daquelas de tirar até o sono. O primeiro amor, uma pequena vivenda anos 70/80, no alto de uma rua em espaço aberto e amplo, deixou-me a sonhar com os possíveis jardins envolventes que lá iria construir. Muita dança da chuva teríamos nós de fazer, porque ao preço que está o metro da água e demais contas para terceiros e afins, só se for um jardim de cactos no meio do deserto.

 

A segunda paixão e que dura até ao dia de hoje, (tenho um coração grande, posso apaixonar-me por vários amores ao mesmo tempo eheheheh), encheu-me as medidas, os sentidos e a alma. A casinha (tem dois pisos, mas é uma casinha mesmo assim), encostada à linha que nos separa do vizinho de trás. Um jardim (ou vislumbre dele) à frente para nos receber e a quem passa. De um lado, uma “floresta” de citrinos onde me imagino a percorrer caminhos feitos da cor de tijolo e ladeados por malmequeres e flores de todas as cores. Do outro lado a horta. Aquele rectângulo de terra que nos iria encher o prato (e mais à família toda) e preencher as horas vagas e mais aquelas que queremos ter para ir conhecer o mundo fora de portas. Se há mundo encantado, está ali, mesmo à mão de semear e tão ao meu alcance (assim os deuses queiram e nos encaminhem nesse sentido). Tem lá mais um apêndice (de terra) a querer obrigar-nos a ser agricultores à força, mas isso agora também não interessa para nada.

 

(Para quem há uns tempos queria trocar a casa por uma autocaravana para se fazer à estrada e ao mundo, agora só encontra pedaços de terra enormes onde cravar e criar raízes bem fortes… E que eu pensava difíceis de arrancar de onde estamos e vivemos as últimas 3 décadas, mas a capacidade de sonhar é grande...)

 

E não é que surge um terceiro amor, uma pequena e bonita vivenda, de construção recente, rodeada de relva e sítios para flores, de onde posso ver quem passa, mesmo como eu andava à procura. E ainda tem espaço suficiente para reunir a família toda. E a horta. Essa, seja onde for, vai estar sempre lá à nossa espera e das nossas árvores tropicais. Eu disse que não a ia ver com olhos de apego. Não queria. Mas vi. E senti-me em casa, mesmo sendo a casa de alguém. Branca e luminosa com tudo o que é preciso. Eu sei que ali íamos ser felizes.

 

Mas como o número que mais me acompanha nos mais diversos acontecimentos é o 4, surge uma quarta proposta que nos deixou a pensar. Não é nada do que eu queria (ou quase nada), mas já me fez sonhar bastante. É um mundo fechado entre quatro muros (e paredes), mas até que podia ser o meu mundo vendo bem as coisas de outro ângulo. É a mais trabalhosa de início e uma carta fechada. Não foi uma paixão assolapada à primeira vista, mas pode ser um amor forte e seguro para ir amando a cada transformação.

 

As 4 fizeram o meu coração vibrar, e só espero que não apareça mais nenhuma porque a continuar, a escolha torna-se cada vez mais difícil. Assim eu tivesse várias vidas, tantas quantas as possibilidades que se nos apresentam. E ainda sobrava uma vida para gastar numa casinha qualquer na rua de Óbidos. Naquela rua que eu gosto tanto de calcorrear para um lado e para o outro. É a rua. A única.

 

💜

26
Abr20

Quarentena - dia 44

por maga rosa

Quarentena - dia 44a.jpg

 

A rainha da Alice finalmente ficou pronta. O rosto foi o último a ser pintado, mas às vezes tem de ser assim. O mais difícil fica para o fim. Quando já não havia mais escapatória meti mãos à obra e a tirana (conta a história que ela era uma megera) ganhou vida. Ou parece. Às vezes ao descer as escadas e se olho de relance, quase fico com a impressão que está lá gente. Mas nada, é só uma pintura na parede.

 

Hoje aproveitei que o dia esteve de chuva e pouco convidativo para andar no quintal e terminei o que faltava. Dei os últimos retoques na cara e pintei os corações grandes da saia. Fico com a sensação de que falta alguma coisa nos ditos corações, mas por agora ficam assim. Às vezes bastam uns traços e tudo muda (aos meus olhos).

 

Já me demorei muito na rainha, pelo que é tempo de passar à frente. Ainda tenho um campo de flores para lhe pintar. Dizem que ela não gostava de rosas brancas, vamos ver se ainda lhe calham algumas… Vou tirar algumas flores da cartola a ver o que de lá sai. Depois conto-vos.  

 

Quarentena - dia 44b.jpg

Quarentena - dia 44.jpg

Quarentena - dia 44c.jpg

🍀

10
Abr20

Quarentena - dia 27

por maga rosa

Quarentena - dia 27.jpg

O meu dia foi dedicado, em grande parte, a pincelar a minha Dama de Copas. Quando pinto fico tão absorta que até me esqueço de comer. Não fosse a barriga começar a “dar horas” e nem teria almoçado. Safou-me o esparguete com legumes assados no forno que tinha sobrado do jantar.

 

Pela tarde, enquanto fui pintando, da cozinha vinham os sons de tachos e demais utensílios e no final fui surpreendida pela refeição vegetariana que a minha filha preparou. Finalmente a embalagem de quinoa que eu tinha comprado ainda antes deste exílio forçado, saiu da despensa.

 

Quarentena - dia 27a.jpg

Quarentena - dia 27b.jpg

 

Diz a minha filha que improvisou, mas que estava bem bom, não há dúvidas. Todos gostámos. Fiquei rendida em especial, à quinoa com grão, um prato nutritivo mas sem ser pesado e fresco.

 

Receita dos bolinhos

Lava-se a quinoa e de seguida coze-se em água temperada com sal durante 15 minutos. 1 copo de quinoa para 2 de água. No final escorre-se alguma água que ainda tenha ficado, se for o caso.

Junta-se cenoura ralada, salsa, tiras finas de pimento vermelho. Coloca-se em formas de queque e vai ao forno a 200º durante 20 a 30 minutos.

Fica bom com maionese ou um molho agridoce e salada. Nós comemos assim mesmo, sem nada.

 

Quinoa com grão

Faz-se um refogado com cebola, curgete e azeite, a que se junta a quinoa cozida, 1 lata de grão, salsa e cajus previamente torrados no forno. 

 

Quarentena - dia 27c.jpg

Quarentena - dia 27d.jpg

Para sobremesa, fez um bolo de laranja. 

 

Quarentena - dia 27e.jpg

A partir de hoje vou ter um novo local de onde escreverei estes post’s (se não levar o portátil para outro sítio qualquer da casa, é claro! rsrsrsr). Com tantas mudanças, a filha mais nova deixou para trás a secretária e o quarto dela passou a quarto das visitas e agora é também o meu cantinho da escrita. O escritório que é também closet, deixou de ser convidativo à escrita e na ponta da mesa das refeições de onde assistia tv nos intervalos entre os rasgos de criatividade, nem sempre permitia o isolamento necessário à concentração. 

 

🍀

08
Abr20

Quarentena - dia 26

por maga rosa

quarentena - dia 26.jpg

 

Hoje voltei às minhas pinturas. E é um facto que nelas eu demoro-me e reinvento a minha capacidade de sonhar. Nelas eu fico horas e horas seguidas, pincelando miudinho cada traço, cada mancha de cor. Nelas eu encontro a serenidade e esqueço que lá fora o mundo quase parou. Fico suspensa num traço certeiro que trará a forma desejada. Enquanto isso, faço uns equilibrismos e contorcionismos para chegar à perfeição, que não existe eu sei, mas que almejo. E viro-me para dentro de tanto apreciar a obra e lhe pintar umas nuances. E o mundo fica mais belo. Ou pelo menos o meu mundo. Quero acreditar que o mundo lá fora também. E ainda há quem não saiba o que fazer ao tempo…O meu é tão pouco para tantos sonhos!

 

quarentena - dia 26a.jpg

quarentena - dia 26b.jpg

🍀

29
Mar20

Quarentena - dia 15

por maga rosa

Quarentena - dia 15.jpg

Hoje foi um dia dedicado à reformulação ou (re)organização dos espaços aqui na casa. Há os que têm de sair para trabalhar e existem os outros (ou seja, nós, o casal progenitor) e que optámos por um isolamento voluntário. E houve necessidade de separar as áreas e de uma organização inteligente de modo a minimizar os riscos que vêm do exterior. Não é fácil. Nada é fácil numa situação como esta onde o inimigo só tem a visibilidade de um microscópio. Dividimos as casas-de-banho. A da entrada fica para o pessoal mais novo, que assim quando passa para cá, já vem lavadinho. A nossa é a do piso de cima. Cada qual com a sua.

 

Nunca mais entrou calçado de rua cá dentro. Fica à entrada. Essa é uma medida de extrema importância. Dizem que o vírus vilão é pesado pelo que se mantém pouco tempo no ar e cai, acabando por vir agarrado às solas. E existem ainda aqueles que gostam de cuspir para o chão. Todo o cuidado é pouco.

 

# Fique em casa! (saia só para o estritamente necessário, e olhe que é muito menos do que pensa!)

 

🍀

19
Mar20

Quarentena - dia 5

por maga rosa

Quarentena - dia 5.jpg

 

Hoje a Helena foi trabalhar, alguém tem de vender o pãozinho que tanto gostamos de ter às refeições. De nós cinco, neste momento, é a que está mais exposta. A Diana foi mandada para casa, até ordem em contrário. O Genro ainda foi trabalhar. Por enquanto.

 

Temo-nos organizado conforme podemos e sabemos. A Diana está encarregue das idas ao supermercado e hoje foi dia de o fazer. Somos cinco adultos a comer todos os dias e não fizemos “açambarcamento” de produtos. Aliás, confiamos que comida não há-de faltar e vamos comprando à medida das necessidades, tendo apenas uma pequena reserva para não sairmos todos os dias. Hoje fomos três a almoçar em casa e dei por mim a racionar a salada para dar para duas refeições. Na lista de compras não constavam itens para saladas e preferi só alimentos que vão ser cozinhados. Talvez numa próxima venham e os meta em água e vinagre, que também é um bom desinfectante.

 

Na entrada da casa temos a zona suja, onde se deixa o calçado que vem da rua, casacos e malas. Um resto de álcool (sempre fez parte da minha farmácia) e algodão para desinfectar telemóveis, ou o que for necessário. E sabão azul na casa de banho da entrada, onde se deixam roupas que vêm de fora e se muda constantemente as toalhas. Nunca a minha máquina de lavar trabalhou tanto! Nem quero pensar na conta da água no próximo mês…

 

Quando a Diana chegou com as compras houve todo um processo de desinfecção e retirada das embalagens exteriores, antes de acomodar tudo na despensa ou no frigorífico. Algumas embalagens ficaram na zona de quarentena, até passarem uns dias antes de lhes mexermos.

 

Chamem-nos loucos, mas mais vale prevenir do que remediar. Assim sentimo-nos mais tranquilos no nosso refúgio. Não conseguimos controlar tudo, mas fazemos o melhor que sabemos. Ontem tivemos o segundo infectado confirmado, pessoa muito próxima de familiares nossos. Dali podem vir outros casos, pelo que todo o cuidado é pouco.

🍀

17
Mar20

Quarentena - dia 3

por maga rosa

Quarentena - dia 3b.jpg

 

Hoje acordámos com um enorme vendaval. Ventania que levou tudo pelos ares e trouxe-nos mais alguma coisa com que nos entretermos. Era a roupa pendurada na corda a secar e que voou. Foram as árvores que se despiram mais um pouco para nos dar o que varrer… E acordámos fora de horas sem despertadores e nem compromissos para nos fazer saltar da cama às pressas.

 

As filhas já tinham ido cada uma para os seus respectivos postos de trabalho.

 

O pão faz falta nas mesas e o dinheiro para pagar aos funcionários também. Reduziram-se horários, limitam-se os produtos à venda e criam-se barreiras. É entrar e andar (ou assim deveria ser). A filhota Helena é uma guerreira.

 

Noutra linha da frente encontrava-se a filhota Diana. As escolas encerraram, as educadoras podem trabalhar a partir de casa, mas há limpezas e desinfecções a fazer e isso cabe às auxiliares. O quase marido, à laia de segurança protector, nem ficava tranquilo se não a fosse levar e buscar. Pelo menos não andou de transportes públicos. Menos mal. À saída passou pelo supermercado para trazer meia dúzia de coisas que nos fazem falta. Comida.

 

Enquanto isso, nós dois, o marido e eu, demos outra cara à arrecadação da oficina. Agora sim, já dá gosto lá entrar.

 

Quarentena - dia 3.jpg

 

Quarentena - dia 3a.jpg

 

Desde que a Helena migrou do 1º andar para o sótão que os meus pertences vieram pousar em cima da mesa de trabalho da oficina e em todos os cantinhos possíveis. Desconfio que as mudanças têm o poder da multiplicação. Nem sei como é que aquilo tudo cabia nas prateleiras lá de cima. Eu bem que tentei fazer de conta que nada daquilo é real, que é só uma alucinação, ou uma ilusão de óptica, mas sempre que corro a porta há uma montanha de livros prestes a escorregarem por ali abaixo. E mealheiros, bibelôs, flores de papel…

Hoje armei-me em super mulher e meti mãos à obra, mas perdi-me entre os livros e encontrei algumas preciosidades, como o meu velhinho livro de português do 2º ano do ciclo (actual 6ºano). Fiquei mesmo feliz.

 

Quarentena - dia 3c.jpg

 

Quarentena - dia 3d.jpg

🍀

 

 

Quem é a maga rosa?

É uma alma antiga, bruxinha ou alquimista, que sabe que é o sonho que comanda a vida e que o essencial só é visível ao coração, pelo que coloca paixão em tudo o que faz, mesmo que aos olhos dos outros não passe de uma lunática. Quando desce à terra, deita cartas e lê nos astros, enquanto vai espalhando pinceladas de cor e boas energias!

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • maga rosa

    Confesso que hesitei em aprovar este comentário e ...

  • maga rosa

    A autora há muito que mudou de registo... Talvez p...

  • Anónimo

    E então, se tudo isso se passasse em 9650-007 CÚ D...

  • pedro

    no inicio aquele re_isto do lado a e lado b mas da...

  • maga rosa

    * Aliás, PDI (peço desculpa pelo palavrão... Porra...

Em destaque no SAPO Blogs
pub