Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

22
Abr20

Quarentena - dia 40

por maga rosa

Quarentena - dia 40.jpg

 

Desde que a pandemia começou, foi a primeira vez que sonhei com o assunto. A noite foi passada às voltas com o vírus. Numa primeira fase do sonho, antes das seis da manhã, (sei que foi antes porque acordei), as imagens estão mais sumidas da minha mente acordada. Mas sei que teve imensos contornos. No geral ficou a ideia de que se começava a andar lá fora. Nós (marido e eu), íamos a algum lado de carro. Penso que a uma zona de mar, ou de rio. Haveria água. Era um passeio. Desisti porque percebi que iria lá andar imensa gente. Depois veio mais outra parte dentro do mesmo sonho. Estava a planear ir a casa da minha mãe, que já não vejo desde que isto tudo começou, mas falamos todos os dias por telemóvel (isto é real, menos a parte de pensar ir lá a casa agora). De repente lembrei-me que não podia, que iria pô-la em perigo, andando pela casa dela como se nada fosse. Desisti.

 

Já de manhã, pouco antes de acordar definitivamente, voltei a sonhar com o assunto. Andava tudo na rua. A vida parecia ter voltado à normalidade. Estava numa espécie de feira. Havia grupos de pessoas aqui e ali. Depois dei por mim a entrar numa loja, uma retrosaria. Havia algum cuidado, pareceu-me, porque o número de pessoas lá dentro era limitado. No entanto, mesmo quando eu ia a passar da entrada para dentro, uma mulher cheia de pressa entrou também, dando-me um encontrão. Passou por mim e foi para a zona do balcão.

 

Depois, já num outro cenário, provavelmente à espera de transporte público. Sentei-me numa ponta de um banco comprido. Na outra ponta, sentou-se uma mulher que me terá reconhecido e veio falar comigo. Respeitou a distância. Entretanto, uma outra mulher acompanhada de uma criança aproximaram-se também, ficando de pé na minha frente. Demasiado perto até. A criança encostou-se mesmo. A mãe logo atrás da filha. Senti o meu espaço invadido e lembrei-me que me tinha esquecido de levar máscara. Ninguém ali andava de máscara. Olhei para as minhas mãos e estava de luvas, daquelas brancas descartáveis que se ajustam à pele. Comentei sobre o facto e tentei pôr algum bom senso na cabeça daquela mãe.

 

Espero que este meu sonho não seja um prenúncio daquilo que virá a seguir, numa fase já sem estado de emergência, quando todos pudermos sair à rua. Espero sinceramente, que haja mais bom senso, porque esta “guerra” ainda não acabou. Há que ter os outros países como exemplo, os primeiros e que já passaram esta fase. Todos têm voltado a uma segunda vaga da pandemia. Todos e nós não vamos ser excepção. Tenham isto em mente e façam a vossa parte. Continuem a proteger-se mesmo depois de decretada a volta à normalidade. Todos.

 

🍀

16
Fev20

A testar a minha 35mm...

por maga rosa

A testar a minha 35mm9....jpg

Ontem foi dia de renovar as energias por sítios bonitos e com a proximidade do mar. Com um marido músico há datas importantes que nos passam ao lado, e o dia dos namorados é uma delas. Mas, como todos os dias são bons para namorar é data menos data e sem stresses. Ontem para compensar, lá fomos nós mas levámos companhia. A minha mãe. Ela como meia Sagitariana que é (pelo lado do ascendente) pela-se por um bom passeio e à falta de namorado, leva-a a filha e o genro. Para a minha alma cigana todos os destinos são válidos, mas o mar é sempre uma boa escolha.

 

Sem planos, a paragem para o almoço foi ao acaso e a escolha não podia ter sido melhor. O destino levou-nos a entrar num restaurante na beira da estrada principal da pacata vila da Foz-do-Arelho. Dizem que os olhos também comem e os meus arregalaram-se com a beleza para lá da porta de entrada. Gostos são gostos e cada um tem os seus, mas que a decoração do espaço é toda a minha cara, lá isso é. Fiquei rendida, à comida, à decoração e à tranquilidade que se sente das portas para dentro. Nota 10.

 

A testar a minha 35mm....jpg

A testar a minha 35mm4....jpg

A testar a minha 35mm8....jpg

A testar a minha 35mm10....jpg

A testar a minha 35mm3....jpg

A testar a minha 35mm1....jpg

A testar a minha 35mm6....jpg

A testar a minha 35mm7....jpg

A testar a minha 35mm2....jpg

A testar a minha 35mm5....jpg

De barriga e alma cheias lá fomos nós nas calmas, de carro, pela costa até à Nazaré onde comi o maior pastel de nata que já vi (mas que não fotografei). De caminho passámos pelo Sítio e pela Praia do Norte, mas com o Carnaval à porta, o dia ensolarado e as famosas ondas, não havia metro quadrado vazio de gente e de viaturas. Deu para ver o mar e alguns surfistas ao longe e tive que me conter nas fotos, que a minha pequenina não alcança assim tanto. Não se pode ter tudo.

 

A testar a minha 35mm12....jpg

A testar a minha 35mm11....jpg

A testar a minha 35mm13....jpg

A testar a minha 35mm14....jpg

Para já e dentro das minhas limitações, estou satisfeita com a aquisição. Vou continuar a fazer experiências, mas já passou no teste.

 

🙏

 

07
Jan19

Bréhat, a ilha nos meus sonhos?

por maga rosa

Bréhat, a ilha nos meus sonhos.jpg

 

Na minha frente tinha uma paisagem lindíssima. Lá ao fundo, mais abaixo, podia-se ver o mar sem ondas a banhar uma pequena margem de pedras ou areia endurecida em vez dos típicos extensos areais das nossas praias, orlada por uma zona verde. Tinha comigo a minha máquina fotográfica (é sempre assim nos meus sonhos quando o cenário é uma paisagem linda, exótica e inesquecível). Também se repete o padrão do não chegar a fotografar, ou de ser confrontada com algum impedimento para tal. Desta vez não houve impedimento, eu é que me perdi um pouco na contemplação e exploração da zona envolvente. A minha filha desceu à praia e voltou a subir a encosta, acompanhada por outra jovem que conheceu lá. Começou a entardecer e eu sabia que estava a ficar tarde e precisava voltar, mas o momento era o ideal para tirar umas boas fotografias com toda aquela luz de pôr-do-sol. No caminho passei por uma casa (havias pouquíssimas naquela zona). Algumas pessoas entravam e saíam e eu fiz o mesmo. A casa térrea era pequena, de construção antiga, rectangular, um misto de pedra com madeira. Estava mobilada num estilo meio provençal rústico, meio boémio chic. Tinha umas janelas envidraçadas grandes. Fui espreitar e vi uma curva da praia cercada de árvores. De outra janela a água era mais extensa, parada, que mais parecia uma lagoa. Senti que podia viver ali. Sentia-me em casa.

 

Dirigi-me à dona da habitação, que se encontrava de volta de uns papéis, talvez relacionados com a compra da mesma. Tentou ocultar de mim o que lá estava escrito, mas percebi que eram antigos e vislumbrei algures numa página o símbolo do nosso “cifrão”. Perguntei-lhe se queria vender e ela respondeu que estava a pensar nisso… Falou em algo que me pareceu serem uns 84 mil e tantos euros (esqueci os números miúdos)… Achei até em conta para a zona.

 

Voltei a sair da casa e dei comigo acompanhada por um rapaz que me foi mostrar uma lagoa. Já não era a mesma parte de mar. Era uma lagoa a sério (ou parecia), num terreno agora mais plano, mas perto de onde tinha estado antes. Era tudo perto. À volta tinha arbustos e árvores e a água na margem deixava ver o fundo. Até aqui pensei estar em Portugal. Todos à minha volta falavam em português. Até que o rapaz me disse o nome da terra…Qualquer coisa que me esqueci, seguida de algo parecido com “Ildefrance” ou “Ildefrench”. Disse-o de uma forma melodiosa, cantada e eu achei piada. Só aí percebi que estava em França. Acordei.

 

A sensação dentro do sonho foi muito boa, feliz. Ao acordar senti-me eufórica e não resisti em procurar no Google se existe alguma terra assim.

 

Descobri que em tempos houve uma província chamada de Île-de-France, habitada por uma tribo de celtas uns séculos antes de Cristo e que deu origem à actual Paris. Faz sentido. Nunca lá fui mas gostava e digo muitas vezes que devo lá ter vivido noutra vida. Mas, não tem mar e o rio Sena não tem nada a ver com as imagens do meu sonho.

Continuei a procurar e para meu espanto encontrei uma ilha, Île de Bréhat... Brehat, uma ilha de França… Em Francês, Île-de-France. Bem pode ser a “Ildefrance” do meu sonho. O mar em tudo muito semelhante ao mar do meu sonho, assim como a paisagem…

Pensei que tinha de contar ao marido, não o próximo, mas o nosso destino de algum dia, mas estava com pressa para tratar do almoço… E nesse momento o telemóvel tocou!

Depois de ouvir o meu sonho e a minha descoberta e de lhe acrescentar que fica no norte de França, do outro lado só ouvi uma gargalhada e um:

 

- Achas mesmo que vou para o frio? Vai lá mas é tratar do almoço para a miúda!

 

                                                                          FIM

 

 

Ele é friorento. Nasceu e cresceu numa ilha com temperatura amena o ano todo. Teve até alguma dificuldade em se adaptar aos invernos mais rigorosos da região interior continental. O frio também é inimigo das minhas hérnias e nervo ciático, mas mesmo assim continuo em estado de euforia.

 

Diria mesmo, que a euforia da descoberta vai durar enquanto durar a recordação do meu sonho…

 

Alguém aí, entre os meus queridos leitores e leitoras que conheça esta região que esta noite (mais precisamente manhã), povoou os meus sonhos?

 

                                                                      Fonte da imagem: Flickr

26
Out17

A fonte encantada...

por maga rosa

 

Num cenário idílico, entre o verde no vale de uma encosta de Santarém, esconde-se esta bela fonte. A Fonte das Figueiras, construção medieval que sobreviveu até aos nossos dias, foi porventura local de mouras encantadas, cavaleiros sedentes e camponeses a caminho das planícies que se encontram aos pés da nossa bonita cidade.
 
Quem sabe, foi ali que a Maria do Monte, nascida e criada na encruzilhada em frente, descia para beber água e encontrou o Chico da Nora, por quem se enamorou e trocou uns beijos às escondidas.
 
Hoje, com as minhas filhas (as minhas musas), aproveitámos um pouco da manhã outonal para fazer uma sessão fotográfica e absorver as energias do local. Tem dias que uma nuvem de nevoeiro cerrado e baixo paira por ali pelo vale acima, dando-lhe uma aura de mistério. É a nossa Avalon Ribatejana. Hoje não tivemos essa sorte.
 

 

 Ainda houve lugar para a brincadeira…

 
 
Foi por um triz que não caí à água, mas depois de algum equilibrismo, o tombo deu-se para o lado contrário. Sorte!
 
 
 
 
 
 
Desta descendente de celtas, Ibéricos e com uma costela mourisca, um grande xi- ♥   
                     
(ah, e visitem à vontade, que a entrada é livre e aberta a todos!)
 
                                                                                                   Fotografias: maga rosa
                                                       

 

 

Quem é a maga rosa?

É uma alma antiga, bruxinha ou alquimista, que sabe que é o sonho que comanda a vida e que o essencial só é visível ao coração, pelo que coloca paixão em tudo o que faz, mesmo que aos olhos dos outros não passe de uma lunática. Quando desce à terra, deita cartas e lê nos astros, enquanto vai espalhando pinceladas de cor e boas energias!

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • maga rosa

    É isso mesmo, é tudo uma questão de opções... Se p...

  • Bruxa Mimi

    Foi a vossa opção e deixou-vos felizes... Então qu...

  • maga rosa

    Sim, pode! Mas não seria a mesma coisa ter que lim...

  • Bruxa Mimi

    Casar em tempo de pandemia também pode ser na Igre...

  • maga rosa

    Força!Se precisares de alguma dica, cá estou para ...