Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

18
Set16

Cantinho inspirador

por maga rosa
 
 
É daqui que hoje vos escrevo, e onde me inspiro e respiro os ares e as cores que me cercam, neste quaseOutono com cara de Verão. É neste cantinho com vista privilegiada que celebramos os momentos especiais. Local de muitas tertúlias e de pequenos-almoços ensolarados, ou de momentos mais solitários mas nem por isso menos felizes. Começou por ser o meu cantinho zen com intenções de oficina e como tudo está em constante transmutação, também este vai mudando de cenário e de adereços e é agora um local de reunião e de festa. Depois, logo se verá.
 
 
10
Ago16

"Je suis Ilha da Madeira"

por maga rosa



Em cada verão o fogo levaconsigo parte das nossas florestas, mas no ano presente tem sido demais. Denorte a sul os focos de incêndio sucedem-se, espalham-se, atemorizam. Noentanto, há uma situação que me deixa particularmente triste. O que estão afazer à nossa bonita ilha da Madeira?! Quem, em seu pleno juízo, intenta destaforma contra a natureza sabendo que esta tem imensa força e logo a situaçãopode ficar descontrolada?! É por demais evidente que com tantos focos ateadosaqui e ali, e com início em terreno descampado, ou em casas inabitadas, só podeter mão humana. Depois, o próprio fogo, que é mais leve que o vento, encarrega-sede fazer o resto e de espalhar o caos. 

Hoje, “Je suis Ilha da Madeira”. Penso que todos o somos, hoje, ontem eenquanto durar esta calamidade o nosso pensamento está com as gentes daquelaterra. 

Diz-se que quem “brinca como Fogo queima-se”. Não desejo isso a ninguém e nem sequer a quemdeliberadamente incendeia o alheio, seja privado ou público, mas que sejapunido de forma exemplar!

Segundo informação dosmeios de comunicação, o incêndio teve início às 15h30 de Segunda-feira, peloque abri um mapa astrológico com essa hora e com as coordenadas do Funchal. Osigno que estava no ascendente no momento, Escorpião, era o mesmo da casa XII(as forças ocultas, o inimigo). O planeta regente, Marte, encontrava-se na casaI (a situação), que para além de ser um planeta de fogo (incendiário), estevegrande parte do tempo lá, no terreno e visível. (dizem que há um suspeito). Coma casa V do mapa a entrar também ao barulho, acredito que lhe deve ter dadoalgum prazer… Para o incendiário, poderá até ter sido uma manobra de diversão,no entanto, a presença do planeta Saturno leva-me a crer que não o fez sozinho.Ou pelo menos teve um apoio de retaguarda… Curiosamente, a Parte da Fortuna(que só o próprio nome já leva a pensar em dinheiro, ou ganhos de algumaespécie), está na casa da qual Saturno é regente…. (que alguém iria lucrar coma desgraça alheia, não me espanta nada…)

Isto é apenas a minha visãoastrológica da situação e vale o que vale…


Em alguns destes locais (oupróximo), o fogo passou por aqui, mas é a vida que prefiro lembrar e dar-vos aconhecer (ou rever) e que desejo de coração, volte à normalidade e recupererápido!
06
Jul16

Doce de pitanga

por maga rosa

Do meu pedaço de verde, de vez em quanto saemcoisas bem deliciosas. Desta feita foi a vez das pitangas terem o papelprincipal na cozinha da maga. 

1 kg depitangas (vermelhas e sem caroços)
1/2kg de açúcar amarelo
aque se junta uma generosa pitada de boas intenções e outra de amor!

Deixa-se tudo na panela atéo açúcar ficar líquido e depois vai a lume brando. Eu já disse que os caroçosse tiram previamente? É isso mesmo! Essa é a parte mais chata de todo oprocesso, mas com ajudantes como os meus fez-se num ápice!





Convém ir mexendo para nãoqueimar no fundo e quando ao passar com a colher, fizer estrada, está pronto!

Aqui, esta iguaria dosdeuses nunca dura muito tempo (pela pequena quantidade e pela gula doscomensais),mas mesmo assim convém esterilizar os potes de vidro em água aferver para conservar o doce.




Para meu espanto, quando ofiz pela primeira vez, saiu um doce com a consistência de marmelada e assim temsido ano após ano, colheita após colheita. O marido gosta dele no pão, já eu,perco-me por uma generosa camada em cima de bolachas. Eu sei, é muito açúcar! Maso sabor agridoce combina tão bem com uma bolachinha (estas são digestivas). J

A minha pitangueira só podeser muito especial. Todos os anos nos agracia com duas colheitas de belosfrutos e ainda é berço para a filharada de alguns pássaros que fazem do nossoquintal o seu habitat. 

16
Mai16

Physalis

por maga rosa


A mãe natureza émaravilhosa! Esta bolinha amarela, linda e saborosa, é fruto do meu pedacinhode verde. Até ao ano passado desconhecia o que eram aquelas “coisas” deaparência seca e sem graça, que via à venda na prateleira das frutas nohipermercado. Um dia prestei mais atenção e reparei que dentro do invólucro decasca seca e fina, tinha uns frutos pequeninos e como sou muito curiosa e adorofruta e experimentar sabores e consistências novas, trouxe uma cuvete comigo.Comemos os frutos, está claro, mas deixei um de parte que abri ao meio ecoloquei a secar.  As sementinhas, jáseco o fruto, coloquei-as na terra de um vaso que havia na varanda com um pé depimpinela. 

Bem, este physalis (ou fisális)tem história, porque quase que era comido pelas nossas galinhas. O maridopensando que as “ervinhas” que nasceram no vaso fossem mesmo ervas daninhas,arrancou-as e deu-as às nossas Marias comilonas (sim, aqui todos os animais têmnome!). Por sorte, vi a tempo e ainda consegui salvar algumas, quetransplantei. Hoje, verifico maravilhada, o quanto uma das plantas cresceu e setornou forte, ocupando já grande parte do canteiro destinado à horta e como temdado frutos ao longo de todo o ano.

Pelo que andei a ler poraí, trata-se de um fruto muito completo, porque além de ser muito rico emvitaminas A e C, ainda possui aminoácidos e sais minerais, tendo propriedadesanti-inflamatórias, anti-oxidantes e que ajuda no combate à diabetes, aoreumatismo, cálculos renais, e muitos outras situações clínicas. E o melhor, éque podem ser comidos de variadíssimas formas, tanto frescos como secos, aonatural, em sumos, juntando a sobremesas ou como acompanhamento… Sinceramente,ainda não experimentei nada disso, porque à medida que vão amadurecendo sãologo comidos. Que têm um aspecto muito “fino”, lá isso têm e devem ficar bem adecorar bolos!



24
Ago15

Em busca das rochas perdidas...

por maga rosa

Há memórias que perduram notempo e que surgem como uma peça de um puzzle, pedaço de uma imagem a cores ecom cheiros, de algo bem maior que se esbateu e sumiu da vista. Quarenta e doisanos depois dei comigo de nariz no ar a olhar para as encostas da praia daRocha em busca de um sinal. Em busca do lugarzinho onde encaixar a peça do meupuzzle que guardo num recanto do meu coração. Dos intervenientes dessahistória, desse momento de vida, dois casais e duas crianças, três já não seencontram entre nós. A felicidade vivida nesses dois dias de aventura rumo aterras algarvias numa Vauxhall Viva azul, essa, continua suspensa no tempo e noespaço e a existir no brilho dos meus olhos.

Desse pedaço de imagemrasgada de um cenário maior, resta um hotel, edifício alto de linhas direitas ena sua frente um largo, quiçá estrada alcatroada, mas com uma zona de terrabatida lá mais à frente em declive e logo a seguir, uma encosta. Lá em baixo nofinal dessa encosta, a areia fina da praia, húmida e duas rochas enormeserguidas lado a lado.

Agora, ao percorrer todaaquela extensão da praia apercebi-me que afinal é enorme e que ou a encosta semodificou e o edifício desapareceu, ou retiraram as rochas do lugar.Convenhamos que em quatro décadas muita coisa pode acontecer. Tal como a vida,a natureza também está em constante mutação, umas vezes por ela própria enoutras, pela mão do homem.


Ao rever as fotos que tirei,apercebi-me que cometi uma falha imperdoável, não captei na mesma imagem asduas rochas lá existentes (as únicas possíveis de serem as minhas rochas), e emconjunto, o cenário que fica na parte de trás destas. 



Ao vivo, a encostapareceu-me demasiado íngreme para ser a mesma que nós escalamos. A mesma que asmulheres do grupo desceram no passeio nocturno pelo areal e de onde regressaramcheias de pulgas-do-mar (ou não!). Possivelmente a memória traiu-me e a descidanão ficava situada mesmo a meio das duas rochas e sim mais ao lado…Possivelmente…  



O meu obrigada aos meusparceiros nesta breve aventura pela costa algarvia e em especial aos meusanfitriões pela paciência, disponibilidade e prontidão em satisfazer o meudesejo! ;)
31
Jul15

Um cheirinho a Primavera...

por maga rosa
Hoje ao regressar a casaapós mais uns mimos à minha tendinite de estimação, com um sol envergonhado aesconder-se por trás de uma pequena nuvem branca e a temperatura bem inferioràquela que se tem feito sentir nos últimos tempos, tive a sensação queestávamos de novo na Primavera! Até este nosso amiguinho deu o ar da sua graça,agora já não tão pequenote assim… E se não era ele, seria um dos irmãos. A nossapitangueira foi agraciada com um ninho, que ano após ano, os papás melrosocupam para dar continuidade à sua espécie. Este ano a criação superou asexpectativas e saíram de lá duas belas ninhadas, nascidas e criadas, uma após aoutra numa mesma Primavera.

Chegou o tempo do primeirovoo e para nossa surpresa, fomos encontrar um dos pequenitos no espaço mais zendo nosso quintal, a tertúlia, onde se deixou fotografar com direito a sessão defestinhas!




 


19
Jul15

É biológico, é bom!

por maga rosa


Descaso deuns, delícia de outros!...
Meiadúzia de pêras e outros tantos pêssegos nasceram nas duas pequenas árvores ecriaram-se sem intervenção humana e sem intervenção de ninguém iriam cair depodres. Os frutos arredondados, de cor dourada com uma face rosada, pendiamconvidativos sem que ninguém lhes ligasse. Os donos daqueles 500 m2 de terrenohá muito deixado ao abandono, têm mais que fazer do que vir de propósitoapanhar umas míseras pêras bichentas (vá lá que até estavam bem sãs!), e láconvenci o marido a pular a cerca! Ahahah

Que diferença fazemdaquelas compradas no supermercado! Podem até estragar-se mais facilmente, casoa mosca as tenha picado, mas têm sabor a natureza a sério. Que pena que os produtosque nos chegam hoje às nossas mesas tenham que ser tão adulterados. Nos poucosmetros de terra que ainda existem no meu quintal, tentamos a todo o custopraticar uma agricultura biológica, nem sempre fácil é certo, devido às pragasde pequenos bicharocos que gostam tanto de boa comida quanto nós!




Quem é a maga rosa?

É uma alma antiga, bruxinha ou alquimista, que sabe que é o sonho que comanda a vida e que o essencial só é visível ao coração, pelo que coloca paixão em tudo o que faz, mesmo que aos olhos dos outros não passe de uma lunática. Quando desce à terra, deita cartas e lê nos astros, enquanto vai espalhando pinceladas de cor e boas energias!

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Em destaque no SAPO Blogs
pub