Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

maga rosa

Oficina de artes esotéricas e criativas.

30
Ago20

Casar em tempo de pandemia

por maga rosa

29deAgosto21.jpg

Ontem era para ser o grande dia. Não foi aquele que se alinhavava há um ano atrás, com todos os nomes que foram escritos nos convites, mas foi um dia especial na mesma. Adiou-se a cerimónia oficial, a boda, o fotógrafo e tudo aquilo a que os noivos têm direito. O vestido de sonho fica pendurado no cabide por mais um ano, à espera que a noiva mais uma vez emocionada o vista e se façam os arremates finais. Adiou-se a grande entrada na igreja pelo braço do pai. O nervoso miudinho e a correria para se ter tudo pronto a tempo e horas. Mas não se adiaram os sonhos. Esses, estão sempre presentes por mais que a vida nos ponha em stand by.

 

E o dia que não aconteceu por causa da pandemia, aconteceu na mesma, mas de uma forma bem diferente. Se não houve um padre, houve uma linda sacerdotisa, uma irmã de alma, que escreve belas palavras e tem a energia das deusas. Os convidados foram aqueles a que chamamos “da casa” e dentro do limite permitido por lei. O local, não podia ser mais apropriado. Ontem celebramos o amor, a vida, a família e a natureza. Celebramos com o que ainda há em nós dos nossos antepassados celtas.  

29deAgosto.jpg

29deAgosto1.jpg

29deAgosto2.jpg

29deAgosto6.jpg

29deAgosto7.jpg

29deAgosto8.jpg

29deAgosto9.jpg

29deAgosto10.jpg

29deAgosto11.jpg

29deAgosto12.jpg

29deAgosto13.jpg

29deAgosto15.jpg

29deAgosto17.jpg

29deAgosto14.jpg

29deAgosto20.jpg

29deAgosto19.jpg

29deAgosto3.jpg

29deAgosto5.jpg

29deAgosto4.jpg

29deAgosto16.jpg

29deAgosto18.jpg

 

Ontem o meu pai teria feito 80 anos. Não viveu o suficiente para assistir a este dia mas esteve presente nos nossos corações, simbolicamente na data e na homenagem que a neta lhe quis prestar com o ramo de flores brancas.

 

Por mais que a vida nos queira fazer abrandar, este tem sido um ano e tanto! Espero que o próximo seja mais suave com a humanidade e que nos seja permitido celebrar com tudo. Pelo menos o adiamento serviu para que possamos ter presente no grande dia uma pequena vida que se está a formar agora. Um pequeno ser que será muito bem vindo às nossas vidas.

06
Jul20

A Lua Cheia em Capricórnio

por maga rosa

Lua Cheia de Capricórnio.jpg

 

Esta é a foto possível da enorme bola que surgiu ao cimo da minha rua, ontem ao cair da noite. Ela estava ali mesmo tão à mão, que tive quase a sensação de que, se subisse a rua, lhe podia tocar. Quase que dava para ver as crateras que dizem que tem. Ou seria o homem da forquilha com o monte de silvas da minha infância? Só sei que ela veio e ficou ali parada por breves momentos, entre as casas e quase a tocar o alcatrão, a oferecer-se à contemplação. E depois, devagar, deslizou e elevou-se no ar por cima dos edifícios baixos.

 

Esta é uma Lua Cheia de Capricórnio. Logo, o tempo de permanência ao cimo da minha rua, naquela pose bem centrada, do “olhem para mim”, não iria durar muito tempo. Quem viu, viu, quem não se apressou, vai ter de esperar por uma próxima. De bónus ainda tivemos direito a Júpiter no mesmo pacote (aquele pontinho luminoso acima da Lua). 

 

🌕♑

24
Jun20

A árvore genealógica

por maga rosa

A árvore genealógica.jpg

Os dias têm sido passados à mesa da oficina, com vista para o meu pedaço de verde, de volta dos papéis onde vou rabiscando datas e dados que encontro nos arquivos (agora online). Pouco a pouco vou montando o puzzle, até a árvore ficar composta com todos os ramos e folhas possíveis. E as raízes que me dão chão e me levam até quem sou. Têm sido muitas horas a escavar terrenos repletos de grandes tesouros. Os arquivos distritais são terreno de grande riqueza arqueológica humana. Muitos achados. Uma verdadeira aula de história. Têm sido longas horas entre nascimentos, casamentos e mortes. Estas últimas deixam-me sempre um pouco mais apreensiva. Faz parte. Com tantos pormenores em mãos, chego a quase imaginar como eram, como viviam, como sentiam. É incrível como tudo mudou tanto em 100 ou 200 anos. Nos primórdios dos idos anos 1800 a esperança média de vida era bem baixa. Assentos de óbitos entre crianças e adolescente então, nem se fala… Imensos. Tenho quase a impressão de que era algo tão normal nesses tempos, que explica até certas atitudes que se tinham. A enormidade de filhos, o descaso muitas vezes. Mal aprendiam a se desenrascar e já tinham de se fazer à vida. E os viúvos aos 30 anos, então, nem se fala... Dois e três e até mais casamentos em cada vida. E não eram consequência de divórcios. Isso não existia. Era mesmo “até que a morte nos separe”.

 

Quem sabe um dia junte todos os pedacinhos e crie uma história. A história dos meus. Um livro é que era, mas isso já é pedir muito… Quem sabe, um dia…

 

Até lá, vou deixando a imaginação pular de galho em galho, nas árvores que vejo daqui da minha oficina.

 

💜

04
Jun20

Confecção de máscaras caseiras

por maga rosa

máscara6.jpg

Este é o “post” que ando para fazer há uma eternidade, mas há sempre algo que o faz ficar na lista dos assuntos pendentes. As minhas máscaras. 

Estou de volta às publicações e também à costura porque o vírus não espera e há quem tenha pressa em se proteger. A minha confecção é de edição limitada e exclusiva para os da casa e seus prolongamentos. 

 

máscara3.jpg

A rosa foi a primeira e serviu de modelo às seguintes. Usei tecidos que foram sobrando de outras situações e que penso, sejam maioritariamente de algodão. São feitas com 3 pregas a meio e de duas faces. A face de dentro em tecido de algodão branco para facilitar a respiração e ao mesmo tempo diminuir o contacto com a pele, das tintas e possíveis alergénios que compõem as cores e padrões da face externa. E assim não há engano quanto ao lado de dentro e ao de fora. Na parte de cima deixei uma abertura para colocar o filtro. Este pode ser em TNT (que comprámos entretanto), mas um pedaço de papel de cozinha dobrado também serve.

 

máscara.jpg

máscara10.jpg

máscara1.jpg

máscara8.jpg

máscara2.jpg

máscara9.jpg

A Helena tem um gosto mais sóbrio e discreto, pelo que optou por comprar tecido de uma só cor. Escolheu um acetinado por ser mais leve e talvez mais fresco. A escolha para o interior continua a ser o algodão branco.

Não tirei foto ao depois, mas elas já andam nos rostos dos respectivos donos e segundo consta (pelo menos pelo feedback de um deles), é até bem mais suportável do que as que usava antes, as descartáveis. 

máscara4.jpg

Cortei um quadrado de 20 cm por 20 cm, fiz três pregas a meio que preguei com alfinetes. Passei com o ferro para vincar. Cosi as duas faces (frente e costas) uma à outra pelo avesso. Virei e pespontei tudo à volta, deixando só a abertura para o pedaço de filtro. Ah, quanto ao elástico, nas duas primeiras usei o de rolinho fino que já tinha, dobrado para ficar mais resistente e atando as pontas uma á outra depois de o passar por dentro da máscara. Ficou assim uma espécie de argola e o nó está escondido. Quanto às outras, é elástico de rolo na mesma, mas mais grosso e que cortei em pedaços de 18 ou 19 cm. Foram pregados aos cantos do tecido. 

máscara5.jpg

Uma crise de ciática, esta minha velha companheira que de tempos a tempos me vem fazer uma visita, veio interromper os planos e a produção. Não era nada que eu não esperasse já, porque aquando o início do covid e fui espreitar os mapas do retorno solar do pessoal aqui de casa, o meu revelou-se o mais frágil no que toca a saúde. Não aprofundei e fiquei-me pelo Nodo Sul da Lua na casa VI. Também não me preveni e o preço a pagar não é nada pouco. Disciplina é o que me falta, reconheço. Quando nos sentimos bem é muito fácil esquecer os exercícios, os alongamentos e a boa postura que tão bem aprendi nos quiropráticos, mas que requerem prática diária para sempre. Não existem soluções milagrosas sem trabalho, é um facto. 

máscara7.jpg

Eu não seria eu, se não tivesse uma máscara florida para enfrentar o tão temido e indesejável intruso. 

 

16
Mai20

As terapeutas cá de casa...

por maga rosa

As terapeutas cá de casa1....jpg

 

Aqui estuda-se hipnose.

Estará ela a dormir ou hipnotizada?

Quer-me parecer que é coisa da Joaninha… Com aqueles olhos hipnóticos, não sei não…

 

(…enquanto isso, vou eu espreitando através do vidro e tirando fotos à socapa…)

 

As terapeutas cá de casa3....jpg

 

Afasto-me uns segundos e quando volto é isto. Ela é hipnose, ela é massagens. Aprendeu bem a lição, está visto.

 

Ausento-me mais um pouco…

 

As terapeutas cá de casa4....jpg

 

 …e na volta já encontro duas.

 

Oh Mia, isso são modos?

As terapeutas cá de casa5....jpg

 

Vou embora satisfeita, mas a curiosidade, que não mata o gato mas é forte como um íman e lá volto eu de novo…

As terapeutas cá de casa6....jpg

Outro?! Só cá faltava o Sebastião!

 

(a energia ali é poderosa, só pode)



💜

14
Mai20

A minha árvore genealógica

por maga rosa

a minha árvore genealógica3.jpg

 

Hoje trago-vos uma das minha paixões, iniciada há uns 10 ou 11 anos durante o curso de astrologia, com umas paragens e recomeços pelo meio. Há pelo menos 5 ou 6 anos que as minhas papeladas andavam guardadas no alto de uma prateleira por dificuldade de ir mais além. O arquivo mais perto e onde passei imensas horas entre livros e registos antigos, parecia não ter mais nada para me dar. E senti-me numa encruzilhada, à espera de possíveis deslocações para outras paragens… E não é que agora descobri que posso ter tudo isso à distância de um clique? Ou de imensos cliques.

 

Sinto-me uma autêntica arqueóloga de pessoas, a escavar em terrenos mais ou menos conhecidos e a decifrar hieróglifos escritos por vezes por mãos trémulas, ou a tinta permanente. Ou nem tão permanente assim, que às vezes quase se ausentou das folhas envelhecidas por centenas de anos de uso e de mofo. Ou apenas borrões que pouco deixam adivinhar e que me levam a procurar mais ao lado, mais à frente, mais atrás, até encontrar novas pistas que me ajudem a decifrá-los.

 

Ando a escavar as minhas raízes em busca de mais umas folhas para a minha árvore. É tal o frenesim, que fico horas e horas a fio de olhos postos no ecrã e a roubar tempo a outras actividades tão ou mais urgentes. Tão ou mais importantes. É vício. E é paixão. E é uns óculos aqui para a minha pessoa não tarda.

 

A cada peça que encontro para o meu puzzle sinto-me mais próxima de saber de onde vim e mais completa. O que para alguns é desperdício de tempo, para mim é ganho em história das vidas que me antecederam e isso também conta. É a homenagem que posso prestar àqueles que carrego no ADN e a melhor herança que deixo aos meus. Quem somos e de onde viemos.

 

a minha árvore genealógica2.jpg

a minha árvore genealógica4.jpg

a minha árvore genealógica1.jpg

a minha árvore genealógica.jpg

 

Este assento de nascimento no ecrã do meu portátil é a minha mais recente conquista e pertence a João António Evangelista, meu tetravô, nascido em 1805. Segundo consta na folha, o avô dele já tinha este apelido, o mesmo que a minha mãe carrega (com orgulho), aos dias de hoje. Nunca se perdeu e em cada geração, excepto nas duas mais recentes, o meu antepassado sempre foi o filho mais velho e homem, pelo que tem sido mais fácil para mim ir atrás de cada um deles. Até ver. Sempre ouvi que vieram de Espanha, mas até agora todas pertencem a solo português. Dizem que é a este ramo da minha árvore que mais fui buscar as feições. Falta encontrar fotografias, coisa tão rara noutros tempos e aí sim, o legado ficava completo. 

 

💜

05
Mai20

Aniversário da maga

por maga rosa

Aniversário da maga.jpg

 

Hoje, esta que vos escreve completa mais uma primavera. E eu que gosto tanto de primaveras!

Para festejar resolvi lançar um desafio na página de facebook com o mesmo nome do blog. 

Maga rosa.

Partilho aqui convosco as regras do jogo, para quem queira lá entrar e participar.

 

Hoje a maga faz anos mas quem ganha presente será um de vocês. Para comemorar, vou sortear uma consulta de tarot online (em privado, é claro) entre aqueles que seguem esta página. 

 

As condições para participarem são as seguintes:

- Gostarem da página (terem seleccionado o “gostei” lá no cimo da página)

- Deixarem comentário nesta publicação (Só contam os comentários feitos nesta página)

- Partilharem

- Participações só até dia 07 de Maio às 12h00

- Atribuirei um número a cada participante e o resultado do sorteio será anunciado às 17 horas do dia 07

 

 

Grata pela vossa presença! 

 

 

 

 

Quem é a maga rosa?

É uma alma antiga, bruxinha ou alquimista, que sabe que é o sonho que comanda a vida e que o essencial só é visível ao coração, pelo que coloca paixão em tudo o que faz, mesmo que aos olhos dos outros não passe de uma lunática. Quando desce à terra, deita cartas e lê nos astros, enquanto vai espalhando pinceladas de cor e boas energias!

Mais sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • maga rosa

    É isso mesmo, é tudo uma questão de opções... Se p...

  • Bruxa Mimi

    Foi a vossa opção e deixou-vos felizes... Então qu...

  • maga rosa

    Sim, pode! Mas não seria a mesma coisa ter que lim...

  • Bruxa Mimi

    Casar em tempo de pandemia também pode ser na Igre...

  • maga rosa

    Força!Se precisares de alguma dica, cá estou para ...